Total de visualizações de página

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

EUA x JAPÃO e SUPER-HOMEM x SUPERMAN


Sabiam que eu já fui o Nacional Kid? Sim, eu combatia os Incas Venusianos, os Seres Abissais,  os Seres Subterrâneos, os Zarrocos e destruí o monstro Giabra, sempre auxiliado (na maior parte das vezes atrapalhado, diga-se a verdade) por uns garotinhos.

Nacional Kid

Logo depois eu me tornei o Super-Homem. Tirava o meu terno, nunca numa cabine telefônica, mas numa sala onde não havia ninguém e voava pela janela para combater os bandidos, minha chegada ao local do crime era triunfal, eu sempre pousava arrebentando uma parede, uma porta e até mesmo um muro. Os engraçadinhos perguntava por que eu não voava por cima do muro, nunca entenderam que minha entrada tinha que causar impacto. Os meliantes sempre atiravam no meu peito, bem no "S" de super, nunca no meu rosto ou abdome, as balas ricocheteavam, eu os imobilizava e os amarrava com vergalhões que se dobravam como se fossem barbantes e os entregava à polícia. Certa vez um dos facínoras fugiu correndo e nem me dei ao luxo de de ir atrás, puxei um cano qualquer e com a força da minha sucção ele voltou se arrastando em meio a cambalhotas. Envolvi o cano em seu pescoço como se fosse uma gravata.

George Reeves

Passado um tempo, talvez uns dois anos, eu me tornei o Ultraman (Hayata), vim da distante Nebulosa M-78 para combater os monstros que queriam invadir a terra; foram um sem número de aventuras lutando contra os Baltans, Banira, Gomora, Dada, Mephilas e muitos outros.

O primeiro Ultraman (Hayata)

Eu nunca fui o Ultrasevem, embora gostasse muito dele. O Ultraseven era na verdade um amigo meu que morava no terceiro andar do prédio em que habitávamos no centro velho de São Paulo.

Ultraseven

Mas a medida em que crescia, fui perdendo os poderes de incorporar esses heróis.

Quando cheguei em Brasília um novo Ultraman, na pele do terráqueo Hideki Goh, chegava à Terra e ficou conhecido como Ultraman Jack. Foi o mais legal de todos, com histórias que podem chocar e comover mesmo hoje.
Foi por este período que comecei a desenhar quadrinhos em meus cadernos de escola onde o Ultra era o protagonista e comecei a dividir com o Luca experiências com desenho. Meu amigo lembrou de algo que havia se apagado de minha mente: nesta fase eu não desenhava o rosto dos personagens, eu tinha medo de desenhar rostos, de não ser capaz. Na verdade até hoje não gosto dos rostos que faço, melhor ainda, nunca fui um fã do meu traço.

Ultraman Jack

Ainda por esta época surgiu no cinema o Super-Homem vivido por Christopher Reeve, pra mim a mais perfeita encarnação do aliem que veio de Kripton. Não haverá outro como ele. Gosto das três sequências que fizeram do herói (nunca assisti a quarta). Embora todos tenham a preferência por Superman 2; tem coisas naquele filme que não engulo até hoje, como raios que saem dos dedos e o Clark sem seus poderes chegando na Fortaleza da Solidão pegando carona e bobagens do tipo.

Christopher Reeve

Quando estive em Brasília em outubro do ano passado, participei do programa Enerdizando, comandado pelo quadrinista Nestablo Ramos e o tema era Estados Unidos x Japão, ou seja, quais heróis eram mais legais e mais poderosos? Os do da terra do Tio Sam ou da terra do sol nascente?
Foi muito legal e divertido, mas eu fiquei meio boiando, os outros convidados do programa eram caras bem mais novos do que eu que curtiam e sabiam muito de Jiraya, Changemen, Jaspion, Jiban e outros.
Nos anos 80 eu trabalhava durante o dia e fazia faculdade a noite, quase não tinha tempo de ver televisão e sinceramente, Power Rangers com aquelas pirotecnias, lutas coreografadas como um balé e monstros coloridos não fariam a minha cabeça de modo algum.

No programa o meu veredito foi a vitória do Japão sobre o EUA por apenas um nariz por causa do Ultraman Jack.

Essa semana, cansado de desenhar, vi um programinha no You Tube no fim da noite falando sobre os filmes de heróis nas telonas. Rapaz, como é deprimente isso!
Capitão América, Batman, Vingadores e etc, achei divertido, me desarmei e entrei no clima pipoca (tendo uma boa história tá valendo), mas é claro que não pode passar de um passatempo pueril, tem cara que gasta momentos preciosos do seu dia discutindo bobagens na internet, e é cara velho já! Tá, você pode argumentar que eu participei de um programa de rádio para falar das mesmas abobrinhas, mas ali era como se estivéssemos num bar falando sobre seus times, nos divertindo, não tínhamos a pretensão de que fosse uma coisa séria.

Man of Steel

Hoje malha-se muito os filmes da Marvel na internet, querem filmes de heróis sérios como o Cavaleiro das Trevas.
Fala-se muito sobre Man Of Steel. Acho um filme muito bem realizado, o Henry Cavill ficou legal como Clark, mas sei lá, querem um Super para os novos tempos. Não me convenceu. O cara vendo o pai morrer sem fazer nada....aquilo pra mim não é a essência do herói. O Homem de Aço desta geração não serve pra mim. Mil vezes aquele que voltou no tempo para impedir que a Lois fosse morta, assim como o Ultraman na hora de voltar para seu verdadeiro lar, preferiu morrer para que o Hayata pudesse ficar vivo.














 

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

QUADRINHOS QUE RECOMENDO ( MONSTER ).


Meu notebook, este importante instrumento de trabalho, já faz uns dias, apresenta uns estalidos estranhos e trava vez por outra, nada muito grave mas é um sintoma de doença, eu acho. Consultei dois especialistas no assunto e eles acham que pode ser problemas no meu HD. Um deles disse ainda que pelo tempo, já vai fazer seis anos que tenho o aparelho, ele pode estar com os dias contados.
Bom, não tenho recursos no momento para comprar outro, nem mesmo um HD externo para salvar meus arquivos. Mas vou ver o que pode ser feito. Mas já sabem, se eu demorar demais a voltar por aqui pode ter sido este o problema.

Este blog não só diminuiu sensivelmente o número de visualizações diárias mas também de seguidores. Ok. Enquanto tiver um único, continuarei postando sempre que possível.

Bueno, voltamos com a coluna onde recomendo um quadrinho.
Na verdade tenho lido pouco gibi, não tenho comprado mais nada, há um grande número de clássicos para reler e pouco tempo para tanto. Mas no ano passado li duas obras que me mantiveram preso à leitura, uma delas foi o ESCALPO da linha Vertigo e o mangá Monster, do qual falaremos hoje.


Quem me conhece bem sabe que os mangás não são o meu forte, não é preconceito, ouço falar de inúmeros títulos que são imperdíveis, é que não tenho muito acesso mesmo.
Ainda na década de 80 eu colecionei o que foi lançado: "Crying Freeman", "A Lenda de Kamui", "Mai, A Garota Sensitiva" (até hoje não li porque nunca encontrei o último número) e "O Lobo Solitário" (também não consegui ler a saga completa).

Bem, falemos de "Monster" de Naoki Urasawa.

O irmão caçula da Verônica comprou os 18 volumes da história e me emprestou, confesso que foi difícil largar a coisa. Prende mesmo!
Trata-se da história de um médico, um neuro-cirurgião brilhante com uma carreira promissora que tem sua vida destroçada por salvar a vida de um menino baleado na cabeça; tentando reverter o que ele julga ter sido um erro de julgamento, passa pelas mais diversas e violentas situações, caçado pela polícia de diversos países (a saga se passa na Europa pós queda do muro) e salvando vidas por onde passa. Conspirações políticas, profecias apocalípticas, romance, tudo muito bem dosado. Se bem que tem uma certa enrolação, personagens que aparecem bem no meio da trama com sua história pessoal e que somem para depois reaparecer alinhavando a narrativa.


Os desenhos tem aquele charme dos quadrinhos japoneses e a narrativa é cinematográfica. É sabido que os autores de mangás trabalham com uma grande equipe, então fica difícil dizer o que o autor fez exatamente. Fez tudo sozinho? Só os esboços e outros finalizaram? Desenhou e finalizou os personagens e outros cuidaram dos cenários e adereços? Atores da trama são simplificados enquanto os cenários, carros, armas e etc, são bem realistas. Bem, não importa, Desenhos e história se completam. Uma obra que merece ser lida e relida.

Um grande beijo para todos vocês e até a próxima.


 







domingo, 24 de janeiro de 2016

ZÉ GATÃO - "DIA DOS MORTOS" (Um conto de Eduardo Schloesser)


Cat olhava tristemente pela janela, observando com uma imensa inquietude na alma o céu nublado de nuvens cinzentas, pesadas como chumbo, mortas, ameaçadoras, que pareciam a qualquer momento desmoronar sobre as casas daquela cidadezinha; habitações que brotavam insistentemente naquele deserto, lado a lado com os cactos. Um calafrio lhe percorreu a espinha arrepiando sua pele alva, seus olhos de um azul profundo e angustiado observavam as folhas secas que bailavam grotescamente fustigadas pelo vento lutuoso que soprava com fúria. Ninguém nas ruas. Não queria estar ali. Maldita hora em que ela e Zé Gatão vieram parar naquele lugar! Ela se sentia culpada por achar que o felino era o responsável. Nunca, não ele; pelo contrário, seu companheiro de viagem era a gentileza e paciência em pessoa. Não fosse pelo mestiço certamente ela estaria presa num mundo de trevas, literalmente, até o fim de seus dias. Foram as circunstâncias, o azar, o maldito azar, ele sim, o responsável. Não fosse uma peça da motocicleta ter se desgastado não teriam vindo acabar naquela povoação lúgubre de calangos medrosos, obtusos e mustelídeos fedidos. Um corisco rasgou o céu baixo, seguiu-se a voz rouca e poderosa do trovão e contudo... a chuva não caía!
"- Zé, saia do chuveiro, é perigoso tomar banho com tantos relâmpagos lá fora!"

Alheio ao aviso, Zé Gatão sentia as gotas mornas beijarem sua pele cinza como bálsamo para seu corpo cansado. Duas semanas na estrada sobre o selim de uma velha motocicleta, levando de volta para Andros, a megalópole, a filha de uma grande amiga de sua mãe. Não que não apreciasse a companhia de Cat, mas ele sabia que ambos pertenciam a mundos totalmente diferentes, e ele, independente de quem fosse, preferia estar sozinho.

"- Disse alguma coisa, Catarina?"
A jovem observou o gato sair do banheiro prendendo uma toalha à cintura, sua imponente figura fazia aquele quartinho embolorado parecer menor.
"- É o segundo banho que você toma desde que chegamos hoje cedo!" Disse ela enfadada.
"- Algum problema com isso?"
"- Não...de forma alguma."
Ela voltou-se para a janela. O gato arrependeu-se da resposta que deu, mas não estava com ânimo para pisar em ovos. Pobre Cat, pensou ele, não se deu conta que a vida dela jamais seria a mesma de antes. Quando, em tempos passados, ela viajaria na garupa de uma moto? Ela era uma gata de raça angorá, alva como a neve, de uma família aristocrática, endinheirada. A mãe de Zé Gatão trabalhara na casa dela alguns anos e se tornou mais que uma babá, uma amiga da família. Ele, mestiço, nunca foi devidamente aceito naquele meio.  O pai dela, de uma arrogância sem par, matou-se com um tiro na cabeça ao se ver metido em um escândalo financeiro e ter todos os seus bens confiscados. Era a ruína da família, a jovem nunca aceitou esse fato, vivia na pindura, mas se comportava com a empáfia de sempre.
"- Me empresta sua tesourinha?" Pediu ele.
"- Claro, está dentro da minha bolsa."
O felino pegou o objeto e dirigiu-se de volta ao banheiro; diante de um pequeno espelho desgastado começou a aparar cuidadosamente as suíças.
Cat fechou as cortinas e deixou cair o penhoar rosa que a cobria revelando suas formas opulentas, largos quadris e seios generosos, estava bem acima de seu peso, não exatamente gorda, mas uma gata com características de matrona embora ainda fosse jovem. Sentou-se na cama, apanhou sua escova e começou a pentear os cabelos finos e alvos como a mais pura lã.
"- Gato, vem comigo ao cemitério?"
O mestiço apareceu na porta com expressão perplexa.
"- Cemitério?!?"
"- Sim, hoje é dia de finados, lembra? Fiz uma promessa de que se eu fosse curada dos olhos eu acenderia uma vela em memória do meu pai nesta data. Não quero falhar a este juramento."
"- Mas a esta hora?"
"- Ué, ainda não é nem duas da tarde!"
" - Mas está um tempo horrível lá fora! Sem contar que estou moído desta viagem que parece nunca ter fim!"
Ela fixou tristemente seu olhar cor de anil nos olhos amarelos dele.
"- Bem, não precisa me acompanhar, eu só..."
"- Não, eu vou com você, é claro, só não acho conveniente com uma tempestade prestes a desabar, fora que o cemitério deste lugar fica numa colina um tanto íngreme, pelo que pude notar quando chegamos, mas se faz tanta questão..."
O rosto da felina se iluminou num sorriso de dentes alvos e perfeitos.
"- Zé Gatão, você não existe!"
"- É, não devo existir mesmo!" Voltou-se ao banheiro tentando disfarçar uma ereção que se insinuava sob a toalha à visão da nudez de sua amiga.

Duas e meia da tarde mas parecia início de noite tal era o véu espesso que escondia o céu vespertino, o vento soprava odiento e belicoso. O casal de gatos caminhava por um chão de mato seco, ambos calçavam tênis de cano alto e trajavam calças jeans, ele, uma velha jaqueta do mesmo tecido, ela, uma capa cor mostarda e um lenço vermelho protegendo a cabeça, uns óculos de grau forte protegiam seus olhos dos grãos de areia que beliscavam a pele como minúsculas e ferinas agulhas. Subiam a estradinha clivosa que dava acesso ao campo santo; o mestiço, absorto, a gata branca, arreliada, olhando em volta como se temesse algo que poderia brotar da terra e devorá-la. Caminhavam lado a lado em silencio, ela discretamente procurava se apoiar nele ao mesmo tempo que evitava pressioná-lo.
Chegaram por fim à pequena necrópole. Era um ambiente profundamente soturno, abandonado, algumas árvores desnudas e esquálidas se curvavam servilmente ao mato seco que crescia agarrando com sanha as lápides desgastadas e aos túmulos cotiados pelas frias golfadas de ar intérminas daquelas plagas.
"- Curioso - começou ela com voz quase inaudível - não há ninguém! Isto aqui deveria estar cheio, afinal é o dia dos mortos!"
"- As homenagens devem ter sido feitas pela manhã, acho, ninguém em sã consciência sairia de casa num tempo desses...."
"- Zé Gatão, você é um chato, sabia? Ninguém o obrigou a vir, cara!"
"- Hei, está sendo rude comigo porquê?"
Ela ia responder mas se calou ao sentir um corisco estalar o que pareceu ser um pouco acima de suas cabeças seguido por uma troada surda.
"- Tem uma capelinha ali atrás daquela árvores, vou lá!"
"- Eu te acompanho..."
"- Não, não precisa, volte para o hotel e vá dormir se quiser! Eu me viro sozinha!"

O gato não pode deixar de sentir mágoa com aquelas palavras ferinas, viu-a se afastar rápido, balançando o generoso traseiro com a cauda branca se movendo a demonstrar irritabilidade. Ela sumiu atrás de uma vegetação de tonalidade opaca, moribunda. Ele ficou ali imóvel como os altares carcomidos daquele lugar desprezível. Gotículas frias prenunciavam a tempestade prestes a cair. Seus pensamentos buscavam por momentos de alegria fugaz do passado, tentando suplantar as emoções nefandas que lhe comprimiam o peito no afã de vencer sua terrível síndrome de rejeição.

Súbito, um som abafado lhe chegou aos ouvidos, como um sufocado e hediondo sorriso maligno vindo de algum lugar entre uns túmulos mais adiante. Movido por sua incontrolável curiosidade felina, caminhou resoluto naquela direção.

Cat aspirou o forte odor de velas no interior da pequena capela constatando que de fato algumas homenagens aos mortos foram feitas algum tempo antes. A brisa gelada invadia o ambiente pelas frestas das janelinhas silvando morbidamente. Retirou do bolso da capa umas velas e um isqueiro, acendeu os pavios e depositou no altar, tinha as mãos trêmulas. Retirou do bolso traseiro uma carteira de documentos onde tinha uma foto de seus genitores. Sentou-se num banco poento, curvou-se e tentou proferir uma oração mas a lugubridade do lugar não permitia concentração. Pensou no pai morto, quis chorar como que para justificar sua presença ali mas não conseguiu. Tudo o que ela queria era estar longe, distante daquele lugar, daquela cidadezinha fantasmal, em um recanto claro, aprazível, aconchegante. Lembrou tudo o que passara nos últimos anos. A morte do pai, a perda dos privilégios, sua enfermidade nos olhos, a sentença do médico decretando que a menos que uma operação fosse feita em caráter de urgência, ela ficaria irremediavelmente cega. Sem recursos, ela se desesperou. A mãe recorreu ao filho da saudosa babá, o mestiço de raça selvagem. Para conseguir o dinheiro ele se meteu com um raposão, um cão marginal e roubaram a câmera de um repórter (pelo menos foi o que ouviu). O gato gastou todas as sua economias para levá-la de expresso até Ômega Um, uma das tantas megalópoles do norte, onde operaram seus nervos óticos. Sucesso. Recuperada e livre da cegueira restava voltar para casa, para sua mãe e só foi possível na garupa de uma velha moto que Zé Gatão arrumou emprestada com um felino preto de aspecto malandro, conhecido dele. As paradas eram breves, para um lanche ou um cochilo numa relva verde, observados pelas miríades de estrelas no céu negro. Ela nunca teve medo, sentia-se segura ao lado dele, até que o tempo mudou, uma peça se quebrou e eles tiveram que empurrar o veículo até aquela morbífica povoação habitada por lagartos, texugos e guaxinins caipiras. O estrondo de um trovão a sobressaltou e afastaram seus devaneios. Uma pesada chuva caiu com intensidade colérica. Pensou em Zé Gatão e encheu-se de ternura. Ele estava certo, devia desculpas a ele por ter sido ríspida e infantil. Tirou os óculos, coçou os olhos, ficou silente por uns segundos, aspirou o ar viciado com sofreguidão e expirou tentando tirar uma angústia opressora do peito. Recolocou os óculos, ajeitou o lenço na cabeça e envolveu o pescoço com o excedente. Levantou-se célere e encaminhou-se à porta.
Uma lufada de ar gelado esbofeteou-lhe o rosto, uma cascata de água caia inundando o chão de cascalho e folhas mortas. Onde estaria o Zé Gatão?

De repente, como que se materializando no meio do aguaceiro, uma figura negra, indistinta, lôbrega, caminhou vacilante em sua direção.
"- Xaninha, xaninha! O que uma gata tão elegante, perfumosa e delicada faz num lugar tão fúnebre em dia de chuva, trovões e relâmpagos?" A fala debochada e rascante da aparição embrulhou o estômago de Cat. Ela se petrificou e a voz se negava a sair. Ao chegar mais perto a gata pode divisar um corvo de baixa estatura, aspecto sacomão, capote negro, óculos escuros de aros redondos e cartola na cabeça.
"- Está com medo, xaninha? He he he. De mim?! Oh, não tenha, Corvus não lhe faria mal, Corvus é um humilde servo!"
A voz esganiçada e revoltante da ave agourenta eriçou os pelos da nuca da felina, entretanto ela não esboçou reação.
"- Venha, Corvus quer te mostrar uma coisa, algo que a fará ver a vida de modo diferente, he he he, não tema, não lhe farei mal."
A infausta criatura pegou-a pelo braço forçando sua resistência num aperto que não parecia possível num indivíduo daquele tamanho e conduziu-a por um corredor de covas tétricas. O mau tempo perdia a força e permitiu por instantes uma lufada de luz fantasmagórica vinda de uma abertura nas brumas. Chegaram a uma cripta de aspecto pestilento; dentro, um imenso caixão jazia aberto, um fedor sepulcral e blasfemo invadiu as narinas da gata. Sentiu mãos em garras agarrarem com rudeza a sua nuca forçando-a divisar o interior do ataúde.

"- Olhe bem, gatinha branca de olhos azuis, olhe bem o final de todo ser vivo, OLHE BEM!!! Hahahahah, uh, uh, hahahahah!"

Dentro do esquife jazia um casal de aspecto canino, mas de proporções tão grandes que Cat nunca vira algo parecido, estavam de tal forma decompostos que não dava pra afirmar com certeza o que era aquilo, pareciam costurados um ao outro; no que se assemelhava ser o macho, o crânio esfacelado deixava entrever o cérebro gelatinoso, podre, a bocarra de dentes pontiagudos aberta de tal forma que demonstrava ter sido quebrada nas mandíbulas, a fêmea também com a fronte esmigalhada tinha um buraco entre os seios como se o coração tivesse sido arrancado à fórceps.

Tudo isto Cat observou com indizível horror naqueles longos segundos. O fedor morfético. Movida por uma insana indignação a felina grunhiu agitando-se, conseguindo por fim se desvencilhar da agourenta ave e correr alucinada por entre as lápides, o som esganiçado da voz corvídea a invadir-lhe as orelhas e ferir-lhe o crânio.

"- Ha ha ha ha ha ha ah! Corra, gatinha, corra! Ahahahahah! Mas não poderá nunca fugir do seu destino! Uh,uh,uh, ah ah ah! NUNCA! Ahahahahahah....huahahuauauu...hahahahahaha!!!"


Como se toneladas de peso oprimissem seus ombros, como se a gravidade tivesse redobrado, Cat curvou-se e caiu ajoelhada ao chão barrento, o coração acelerado como se fosse rebentar dentro do peito, não tanto pela carreira mas pelo que acabara de passar nas mãos do corvo, a lembrança funérea do fedor dos cadáveres caninos comprimiram seu estômago de tal forma que o vômito veio súbito forçando passagem por sua garganta como um punhal em brasa. Passado uns segundos de agonia com espasmos abdominais, a gata sentiu uma ponta de alívio. A chuva voltou a cair com peso, fria, mórbida. Levantou-se sofregamente e tentou localizar a saída do cemitério.
Viu-se numa parte do lugar onde frondosas e centenárias árvores de aspecto macabro pareciam ter brotado do chão de forma abjeta exatamente por parecer destoar totalmente daquele ambiente e ainda assim ter tudo a ver com ele. Com esses pensamentos confusos procurou uma trilha entre as tumbas que não lhe permitisse cruzar de novo com o pássaro negro. Foi precisamente neste instante que um som frouxo, enfermiço, lhe alcançou as orelhas apesar do aguaceiro. Ela não conseguiu decifrar que barulho seria aquele mas por algum motivo lhe enregelou a alma. Ainda assim se sentiu atraída na direção do que aos poucos se assemelhou ser um ruido de alguma sucção mesclada a um gemido débil, como se sussurrassem profanamente um ao outro.

Cuidadosamente se aproximou de algo que se movimentava próximo a um altar semidestruído pelo tempo. Limpou as gotas de seus óculos e fixou a vista para entender o que era. Uma criatura negra, lânguida, curvava-se de forma ultrajante sobre um enorme corpo bovino. Parecia sugar pornograficamente o pescoço de sua vítima. Para Cat, pareceu que aquele indivíduo asqueroso e blasfemo trajava-se todo de negro, mas observou melhor e notou que o que pensou ser tecido era a na verdade a extensão de seu corpo e se estendia das costas ao braço numa asa diabólicamente repulsiva à vista. Um chapéu coco e longos cabelos desgrenhados não lhe permitiram divisar o rosto do ente maléfico. Petrificada pelo que testemunhava, a felina temeu que sua presença fosse percebida pelas pancadas surdas de seu coração. Quando reuniu forças para se fastar dali, a abjeta criatura ficou estática como se intuísse que estava sendo observada. Movida pelo pavor e pelo desespero, e tão somente por isto, Cat correu dali em uma direção qualquer por entre as lápides, era como se suas pernas tivessem vontade própria. Em meio a chuva ruidosa pensou ter ouvido um tênue farfalhar de asas acima de sua cabeça e isto duplicou a velocidade de seus membros inferiores, uma figura indistinta pela tempestade surgiu a uns metros à sua frente e ela chorou de felicidade ao reconhecer a silhueta de Zé Gatão.
"- Catarina, onde estava? Te procurei por quase todo este lugar!"
"- Me abrace, gato, me abrace!"
"- O que aconteceu?"
"- Vamos embora daqui, vamos agora, depressa, eu te conto pelo caminho!"
Envolvendo a companheira enquanto caminhavam à saída, o felino notou como ela tremia.
"- O que é isso Catarina? Medo ou frio?"
"- Ainda bem que você está aqui, ainda bem que não foi embora como eu sugeri..."
"- Claro que não ia abandoná-la neste lugar! Fui investigar algo estranho e quando voltei você não estava mais na capela. Cheguei a pensar que tivesse retornado ao hotel. Corri para lá. Certificado que você não voltara corri de volta para cá e..."
"- Ah, a saída, graças a Deus! Vamos, vamos embora daqui!"
"- Vai me dizer o que houve?"
"- Zé, você já teve contato com morcegos?"
"- Umas duas vezes. Não foram amistosos. Porquê?"

O casal de gatos entrou sem dizer palavra no quarto do hotel. Encharcados e com frio. Silentes começaram a se despir. Jogaram as roupas molhadas num canto. Cat se envolveu num cobertor e sentada na cama agarrou-se aos joelhos colocando a cabeça entre eles. Ficou assim imóvel ouvindo a tempestade. Seus pensamentos eram de puro horror. Um medo que a subjugava, tirava as suas forças e a impediam de rogar ao amigo mestiço que a abraçasse e nunca mais a largasse. As experiências vividas naquela tarde ecoariam por sua memória durante toda a sua vida, ela sabia. Ansiava por um sono de esquecimento que não viria.
Eram 16:30. Zé Gatão foi até janela. Parecia noite. As ruas continuavam desertas, as grossas gotas que caíam dos céus não pareciam lavar as paredes das casas de seus pecados, antes cuidavam de lembrar aos tijolos, que eram, não banhados, mas açoitados por ordem de seu mestre, o vento gélido.
O felino dirigiu-se ao chuveiro e deixou a água benfazeja cair sobre seu corpo esperando assim esquecer o relato da companheira sobre o que sofrera no cemitério. A pobre gata não tinha estrutura para desventuras desta natureza.
Sentiu a presença dela atrás de si, recebeu seu abraço, percebeu os grandes e macios seios se comprimirem em suas costas. Ficaram assim um tempo até que as delicadas mãos desceram ao púbis e seguraram seu membro teso. Virou-se e a beijou. O tempo pareceu parar. Num instante estavam deitados na cama. Cat sentia a montanha de carne cinza sobre seu corpo proporcionando não só prazer, mas uma paz que a subtraíam dos terrores das últimas horas. O pênis palpitante a invadiu gostosamente arrancando ronronados suaves de sua garganta. O suave cheiro do companheiro, o deleite sexual dando descargas em suas veias, Zé Gatão sobre ela como uma muralha, protegendo-a do mal que assobiava por entre as frestas da janela tentando impor sua presença. O clímax num instante chegou e ela se deixou desfalecer sentindo um afetuoso calor tomar conta de seu ser. Um pesado sono cingiu-a por completo.

Derepente ela acordou assustada com o som do gato levantando-se apressadamente da cama. O quarto às escuras. Ele se vestia.
"- Zé Gatão, o que houve?"
"- Acordei com passos na escada! Não há mais ninguém neste andar!"
"- Estou com medo, o que será?"
"- Saberemos logo!"

Uma presença se posicionou em frente a porta e deu duas vigorosas batidas.

"- Quem é?" Perguntou o gato farejando o cheiro de cão e tabaco.
"- É o Luke!" respondeu uma voz roufenha e entediada.
"- Não conheço nenhum Luke!"
"- Sou o delegado da cidade, e vocês felinos, a menos que tenham algo a temer da lei, poderiam abrira a porra da porta? É do interesse da Catarina!"
À menção de seu nome, um frio enregelante percorreu o corpo da gata alojando-se em seu estômago. Levantou-se trêmula.
Zé Gatão abriu a porta de forma decidida e deparou-se com um cão atarracado e de baixa estatura com ar envelhecido, de chapéu de aba larga e cigarro caseiro pendendo dos lábios. Não conseguiu identificar a qual raça pertencia, talvez a todas ou nenhuma.

"- Que deseja, delegado?"
"- A dona Catarina está?"
Cheia de temor a felina se aproximou trajando seu penhoar rosa.
"- Sou eu!"
"- Creio que isto lhe pertence." O cão da lei estendeu-lhe uma carteira de documentos.
"- Oh! Mas como...?
"- Não perdeu isto?"
"- E- eu...não sei..."
"- Farejo muito medo na senhora, tenho experiência com isto, mas não é um medo que envolve culpa, há algo que queira me dizer?"
"- Conte a ele o que viu no cemitério, Cat!" Ordenou Zé Gatão.
" - Bem, fomos hoje acender uma vela em memória de meu pai e devo ter esquecido a carteira na capela. Um corvo asqueroso me obrigou a contemplar um cadáver esquisito num caixão...."
" - Esquisito como?"
" - Ah, não sei, estavam em decomposição e..."
" - Corvus é um filho da puta - vociferou o delegado, dando uma profunda tragada em seu cigarro - é o papa defunto desta cidade, normalmente aquele doido não faz mal a ninguém. O fato é que não foi ele quem me trouxe seus documentos." Soltou a fumaça.
" - Quem foi então?"
" - Aí é que está, foi deixado na janela da delegacia agora a pouco. Raramente alguma coisa escapa ao meu faro e audição e quem veio deixar a carteira é silencioso como um defunto. Vi seus documentos nela. Como sei que não apareceram felinos nesta cidade hoje além de vocês vim direto para cá. Há algo mais que eu deva saber?"
" - Bem, logo após o incidente com o corvo eu fiquei perdida no cemitério e vi algo estranho."
" - Viu o quê?"
" - Não tenho muita certeza, chovia demais, mas pareceu..."
" - Pareceu o quê?" Indagou o cão com ar de irritação.
" - Pareceu um morcego chupando o pescoço de um bovino!"
Ao ouvir isso as feições duras do delegado se tornaram sombrias. Seus olhos ficaram minúsculos.
" - Tem certeza? Ele te viu?"
" - Não tenho certeza de nada, eu estava assustada demais para discernir qualquer coisa! Saí correndo do local."
" - E você lince, tem algo a dizer?"
" - Nada, só apareci depois."
" - Posso falar com você a sós?"
Sentindo a firmeza da voz do cachorro, Zé Gatão dirigiu-se a Cat.
" - Entre e feche a porta."
" - Mas...."
" - Por favor, obedeça!"
Contrariada a gata aquiesceu.


" - Muito bem, delegado do que se trata?"
O cão olhou-o profundamente nos olhos, deu uma última tragada em seu cigarro, soltou a fumaça, jogou a guimba no chão e pisou-a com sua bota enlameada.
" - Seguinte felino, tô a muito tempo nessa vida, conheço animais de todos os tipos, gatos nunca foram confiáveis, contudo meu faro não me engana, sei que você e a fêmea metida aí disseram a verdade. Se eu fosse vocês, amanhã, ao raiar do dia, iria embora como se o diabo estivesse nos meus calcanhares."
" - Mas o que está acontecendo afinal?"
" - Olhe, noto que você é tarimbado na vida. Deve saber que existem coisas das quais não temos controle, coisas que estão acima até mesmo da lei, é só o que posso te dizer. Repito, vá embora assim que puder! Boa sorte!"
Dizendo isto o cachorro nanico virou-se nos calcanhares e caminhou pelo corredor escuro e sumiu descendo as escadas.

Zé Gatão entrou e fechou a porta. Cat olhava fixamente algum ponto invisível a sua frente.
" - Está com fome? Não comemos nada desde a manhã."
" - Porque você tinha que me trazer pra esta maldita cidade, gato?" Ela demonstrava irritabilidade na voz.
" - Eu não te trouxe para esta 'maldita cidade', nós fomos obrigados a vir pra cá pois era a bosta do vilarejo mais próximo de onde a porra da moto quebrou. Ou ficávamos lá na estrada esperando um milagre ou vínhamos pra cá! Será que é tão difícil entender?"
" - Eu sei, desculpe! É que não me sinto bem....queria....queria muito estar com a minha mãe..."
" - Vai estar com ela logo, não se preocupe."
" - Eu ouvi o que o delegado falou, que era pra irmos embora daqui como se o diabos estivesse atrás da gente."
" - Não se assuste com isto, esses caipiras são dramáticos!"
" - Não, ele tem razão, você viu a cara dele quando falamos do morcego, ele deve saber de alguma coisa, deve ter algum culto diabólico em algum lugar perto daqui, esta cidade está amaldiçoada!"
" - Olhe, Catarina...."
" - Não, eu quero ir embora daqui! AGORA! Não suportaria passar a noite neste lugar! Não são nem seis da tarde e já está escuro como breu!"
" - Cat, estamos cansados e estressados, entendo que você teve uma experiência horrível hoje, mas tente se controlar, eu estou aqui com você. O mecânico disse que a moto só estaria pronta amanhã a tarde, isso se ele, na melhor das hipóteses, conseguir improvisar uma peça que nos permita chegar até uma outra cidade com mais recursos. Deveríamos comer algo e descansar para a viagem de amanhã."
" - Não, não! Por favor, não! Vá até o mecânico e veja se ele já fez os reparos, por favor!"
" - Catarina...."
" - Por favor, Zé Gatão, faça isto por mim, só mais esta vez! Por favor, me leve embora daqui!"

O felino cinzento viu que não teria como demovê-la. Sentou-se na cama e começou a calçar o tênis.
" - Escute, vamos até lá falar com ele, mas se não for possível, prometa que vai ter paciência e esperar até que...!
" - Eu não vou lá com você!"
" - Como é?"
" - Só vou sair deste quarto para sumir deste buraco dos infernos! Vá você lá. Pode trancar a porta e levar a chave e por favor não demore."
" - Tudo bem."

O Gato saiu. Pelo modo como ele bateu a porta mostrava o quanto estava irritado. Ele não compreendia. Ela não estava bem. Uma angústia tenebrosa lambia sua alma, sugava suas energias, um terror profundo a engolia. Seu coração batia descompassadamente, era um tum tum tum tá tá surdo que até machucava seus ouvidos. Ela ficou na cama, imóvel, sentindo cada segundo de um suor frio que percorria sua pela branca. Até perceber instintivamente uma presença do lado de fora da janela. Uma presença alada, como aquela que deixou sua carteira na delegacia. O terror a paralisou por completo. Sua audição felina captou um som nas escadas dos andares inferiores, algo subia, e não era seu protetor felino, as passadas nos degraus não eram cadenciadas, pertenciam a alguém com uma perna mais comprida que a outra. Ouviu uma respiração profunda dentro do quarto, o ente alado adentrara no aposento sem mesmo abrir a janela. O medo sobrenatural percorria as veias da gata, tateava com mãos descarnadas o interior de suas tripas, pressionava seu estômago e apertava seu coração. Tum tum tum tá tá! A entidade negra e maligna lançava sombras sobre seu corpo, o som descadênciado agora mais alto, próximo à porta. Ela não conseguia respirar! Um bafo fétido e quente acima de sua cabeça. Membros paralisados. Tum tum tum tá tá!
A porta se abriu com estrondo e o inferno penetrou no quarto com um cheiro infecto, pestilento; dois imensos cães, macho e fêmea confusamente costurados um ao outro, unidos pelas costelas, como siameses, cérebro e entranhas vultuosamente expostos, ganindo em agonia e fúria.
Encontrando forças no desespero, no fundo da alma consternada a gata gritou e se debateu para livrar-se do bloqueio de seu corpo.
" - Haaaaaaaa.....haaaaaaaaaiiiiiiiiii!!!!
" - Cat! Acorde! Cat, ACORDE!!!

Ela arregalou os olhos e viu Zé Gatão na sua frente sacudindo-a, livrando-a do inferno que a mortificava. Abraçou-se a ele aos prantos.
" - Calma! Foi um pesadelo, mas eu estou aqui agora!"
" - Fique assim comigo, por favor! Não me deixe mais, nem um só segundo!"
" - Não deixarei."

Ficaram em silêncio um tempo.

" - Olhe, falei com o Piggie, o mecânico, ele está forjando uma peça para substituir a que quebrou, ele disse que amanhã a tarde estaria pronta mas eu dei um gratificação extra e ele vai trabalhar durante toda a noite para nos entregar a moto amanhã cedinho, então poderemos partir, mas não antes. Teremos mesmo que esperar, tá certo?"
Ela balançou a cabeça resignada e afirmativamente.
" - Comprei algo para comermos. Precisamos repor nossas energias."
" - Não tenho fome."
" - Pelo menos beba algo. Tem suco e chá. Você escolhe."

O gato comeu sanduíches, bolo de mel e quase um litro de suco. Cat sem nada dizer tomou um chá de ervas aromáticas com limão.

A chuva tinha parado. Os dois deitados em silêncio no escuro quarto. O vento continuava silvando pelas frestas da porta e janela, trazendo de quando em quando um som como de sinos distantes.
Zé Gatão massageou as costas da fêmea, ela se aninhou ao seu lado e adormeceu.
 
Uma claridade despontava no horizonte quando o felino taciturno deu partida na máquina que os levaria para longe daquela vila. A mochila desgastada com os poucos pertences dele fortemente presa à mala grande dela, no bagageiro da moto.
Cat se agarrou fortemente ao hercúleo torso do mestiço e assim se deixou ficar, aliviada por estar de partida. A estrada enlameada se abria à frente deles. As primeiras luzes do dia forçavam passagem por entre as nuvens escuras.

                                                                         *   *  *  *  *

Quase dois anos haviam se passado desde o funesto dia naquela cidade que Catarina sequer chegou a saber o nome. Ela conseguiu um emprego agradável e se mudou junto com a mãe para um tranquilo e arborizado bairro classe média nos arredores de Andros. Arrumou um namorado, um gato que acabara de se formar em direito e tinha inclinações políticas, noivou e estava com data de casamento marcado.

Desde que a deixara nos braços de sua mãe ela não tivera mais notícias de Zé Gatão, ele prometeu que ficaria em contato mas não o fez.

Era uma tarde tépida, sua mãe, já de idade, estava tirando seu cochilo vespertino, algo bem comum aos gatos, e ela, de camiseta amarela curta e shorts jeans, sentou-se modorrentamente em frente a tv enquanto aguardava o noivo que daria uma escapada do trabalho para acompanhá-la no lanche da tarde.

Bem no momento em que a programação era interrompida para anunciar uma notícia urgente - a destruição total da Cidade do Medo - uma batida suave na porta se fez ouvir. Cheia de uma sonolência incomum, escutando sobre bomba termonuclear e o nome Equus Giordano, ela foi atender, devia ser seu amado. Os últimos raios de sol morriam no horizonte.
Caminhava pela sala como se flutuasse. Abriu a porta e diante de si, vislumbrou uma negra figura esguia que lentamente abriu os braços e revelou imensas asas cor de ébano e tinha de envergadura o dobro de sua altura e a envolveu plena e totalmente. A felina aspirou cheiro de fezes e carniça, tremeu enregelada. Foram as derradeiras sensações de sua vida.





segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

ANATOMIA - MAIS TÍTULOS A CAMINHO.


Ontem, quase meia-noite enviei o terceiro álbum da nova série de anatomia que estou compondo para a Editora Criativo. Um trabalho que se estendeu mais do que eu esperava; deu pra cansar um bocado! Mas finalizei. Agora recobro as forças para um novo título.
Me enviaram três modelos de capa para escolher, escolhi a C por julgar que tem mais movimento, afinal é disso que trata o material.


Vamos agora a algumas amenidades?

O QUE ESTOU LENDO? - Acabei o Falcão Maltês do Dashiel Hammett, nem preciso dizer que é sensacional! Atualmente sigo com Marvel Comic - A História Secreta, sobre os bastidores da Editora Marvel e estou gostando muito, prova que a vida de alguém que se dedica a fazer gibis, mesmo ganhando dinheiro, é nadar contra a correnteza.

O QUE ESTOU ASSISTINDO? - Pra dizer a verdade, nada no momento, eu e Vera estamos considerando assistir Fargo, mas o tempo tá apertado; a noite, que é quando podemos, nos sentimos cansados.
Nos meus intervalos de trabalho assisti Ash x Evil Dead e me diverti. A série cumpre o que promete: voltar ao mesmo clima do Uma Noite Alucinante 2, sangue, comédia pastelão e bastante gore com o canastrão imbatível do Bruce Campbel!
Vi também Jessica Jones, a heroína da Marvel pela Netflix e achei muito boa! Vilão nota 10! Recomendo.
Nunca mais pude ir ao cinema. Que pena.

O QUE ESTOU OUVINDO? - Na verdade nada de novo, eu só ouço coisa antiga então nem adianta comentar que vou ficar repetitivo, mas as vezes pego coisas lá do fundo do baú, como o primeiro disco do Velvet Underground (sim, o da banana na capa), ouço principalmente as faixas cantadas pela Nico. Alguma coisa do Harry Nilson e outras ótimas que tocavam nas rádios fms nos anos 70.
Claro que no dia que fiquei sabendo da morte do Bowie eu fiquei ouvindo o cara o dia inteiro. Foi uma grande perda!

QUADRINHOS - Necas, tô com coisas aqui para ler e reler mas não tem dado tempo mesmo! Contudo, umas semanas atrás eu concluí a série Monster, um caudaloso mangá, mas vou comentá-lo numa próxima postagem.

Uma boa semana a todos.

domingo, 10 de janeiro de 2016

UMA QUASE TRAGÉDIA E OS FEIJÕES ESPALHADOS PELA COZINHA.



Mais um texto que sai à minha revelia. Meu intento era ser mais suave e dividir com vocês o que tenho lido (livros e gibis), assistido (filmes e séries) e escutado (música, é claro), recomendar um quadrinho que terminei recentemente e achei muito bom, mas ainda não será dessa vez. Sinto a necessidade de compartilhar um acontecimento que me tirou totalmente da rotina (sim, sou um homem de hábitos).

Quarta, dia 06, quase 10 da manhã - Finalmente prontas as ilustrações do terceiro volume da coleção Anatomia da Editora Criativo, um dos livros mais complicados de concluir, não porque fosse difícil, mas por conta das interferências externas que não me permitem dedicação absoluta, aliás foi assim com os dois primeiros também. Eu conectava o cabo USB do scaner no meu notebook para digitalizar as imagens e enviar sem delongas para a editora e o mesmo mandava um recado: este computador não reconhece o cabo conectado, certifique-se e tal e tal ou tente de novo, se o problema persistir blá blá blá. Já maldizia o processo todo quando um estouro violento se fez ouvir, algo bem alto mesmo! Numa fração de segundos alguma coisa atingiu violentamente a lateral da minha porta - meu estúdio fica uns três metros da cozinha, tem uma área de serviço entre os dois - no preciso instante todo o ambiente ficou tomado por uma espécie de vapor. A única coisa que vi, passado o choque inicial, foi grãos de feijão por todo o lado. Caminhei o mais rápido que pude até a cozinha evitando a sujeira no chão, tudo não levou mais que uns segundos. Ao ver toda a lambança espalhada pelo local, utensílios de cozinha caídos no assoalho e o nosso fogão totalmente destruído, concluí imediatamente que fora a panela de pressão que estourou provocando todo aquele estrago. O teto ficou profundamente marcado no local atingido pela tampa. Ao lado do fogão, na pia, encontro uma Verônica estática, como em choque, com os cabelos presos no seu coque habitual cheio de borra de feijão. Ela estava bem! Milagrosamente, bem ali ao lado do desastre, nada a tinha atingido. Ela poderia ter se queimado gravemente, ao contrário, teve apenas umas queimaduras bem leves, só sentidas depois de um tempo no lado esquerdo do rosto e no braço, locais onde os respingos do caldo fervente alcançara. Poderia ter sido vitimada pela válvula ou pela própria tampa ao cair. Mas fora o susto que a deixaram perplexa, nada de grave aconteceu, graças a Deus!
A porrada foi de tal monta que a grade do fogão voou pela área de serviço e se chocou com a lateral da porta do local onde trabalho. Eu poderia estar saindo dali no preciso instante do choque.
O que também muito me impressionou foi o estado do fogão, tinha virado um "S", botões foram cuspidos pra fora, os pés entortaram, duas das bocas estavam como se tivessem sido marretadas! Nem vou falar da panela! Eu pensei logo em fotografar, hoje tudo se filma e fotografa mas a Vera não quis fazer propaganda de uma desdita, eu também não curto este tipo de coisa mas era pra vocês verem que não exagero no relato. Uma sujeira horrível! Tinha caldo e feijão em locais inimagináveis próximos à nossa cozinha!
O irmão caçula da Verônica ficou sobressaltado, vez por outra ele me questiona coisas a respeito da Bíblia. Eu disse: "Pra mim esta é a prova cabal da existência de Deus, sua irmã não sofreu nada, ela poderia estar agora a caminho de um hospital!"
Ele me encarou incrédulo e falou: "Isto prova a existência de Deus? Isto foi sorte!" E me deu as costas. Sabem, é natural, quem é de Deus e tem alguma experiência com Ele reconhece Suas obras. O homem natural não compreende tais coisas, nem poderia pois as coisas de Deus só são discerníveis espiritualmente.

Eu e Vera não somos de ficar chorando o leite derramado, botamos as mãos na massa e ficamos as horas seguintes no faxinão, limpar a cozinha toda, não deixar um único traço de feijão no ambiente, já pensaram? No calor que faz aqui quando aquilo começasse a azedar ninguém suportaria. A família dela ligou em peso. Como é bom saber que mesmo quem está longe se importa.
Depois de muito tempo esfregando teto, paredes, armários, pia e geladeira, dando fim em todo o lixo e fogão destruído, suando em bicas, respiramos fundo e nos perguntávamos o que teria dado errado com a panela de pressão; não sabíamos, tudo parecia estar em ordem. Evidentemente não estava. Mas ficar ruminando também não resolveria nada. A etapa seguinte seria comprar outro fogão e uma nova panela. Logo agora, com toda esta crise solapando a população brasileira. Dormimos um tanto transtornados e bem cansados naquela noite.

Quinta-feira de manhã bem cedo - Bairro de Prazeres, Jaboatão. Estávamos nós a procura de um novo fogão nas várias lojas de eletrodomésticos. Como as coisas estão caras mesmo com os saldões! Enfim a Verônica escolheu aquele que melhor se adequaria ao nosso gosto e bolso, um belo fogão de seis bocas.
Porém, como nada é fácil, não tinham para pronta entrega, só na terça da semana seguinte. Fomos a uma outra loja. Mesmo fogão, tinham disponível na loja mas não poderiam entregar no mesmo dia, só no seguinte e pagaríamos o frete. Ok, fazer o quê?
Enquanto privados deste utensílio tão importante preparamos nosso rango na casa da sogra, que fica umas quadras de distância de nossa residência.

Não sei se o desenho de hoje é adequado à postagem, mas não me ocorreu nada melhor para ilustrar. Faz parte do novo material de anatomia em que trabalho.

Sexta-feira, por volta de 19 horas - entregaram nosso fogão. Tudo certo, graças a Deus.  






segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS ( 09 )


Amadas e amados, bom dia! É bom estar de volta! Espero que todos tenham tido um excelente final de 2015 e que estejam renovados para as batalhas de 2016.

Eu havia pensado em outro texto para meu retorno, na verdade a volta do "QUADRINHOS QUE RECOMENDO", mas devido ao atraso na entrega do terceiro volume da nova coleção de Anatomia terei que adiar.
Este Anatomia número 3 está dando mais trabalho que de costume, era para eu ter entregue ainda no mês de novembro, mas por uma série de fatores ele acabou ficando enrolado (inclusive por conta disso não terei pagamento para o mês de janeiro e esta é a minha única fonte de renda atualmente) mas estou nos estágios finais de ilustração e texto e esta semana devo terminar, o resto deixo nas mãos de Deus, não há mais nada que possa fazer.

Devido aos probleminhas corriqueiros do final do ano também falhei na minha promessa de entregar ao mestre Allan Alex a página 6 finalizada da minha HQ para o projeto NCT, mas devo estar corrigindo este lapso em breve.

Aqui está muuuito quente, não tem como dormir adequadamente, o ventilador parece cansado, soprando um vento morno, o suor molha a fronha do travesseiro. Ah, melhor encerrar aqui e correr com o trampo senão começo a listar coisas aborrecidas e não é minha intenção para a primeira postagem do ano.


Imagem do clássico do Machado mais uma vez.

Fiquem com Deus!

sábado, 19 de dezembro de 2015

BOAS FESTAS!!!!


Imagino que "As Quatro Estações de Vivaldi" seja um bom tema para esta postagem, na verdade a última deste ano. Então vamos dar play.

Dois mil e quinze foi um ano complicado. Sofremos duas perdas irreparáveis. A Vera perdeu seu irmão logo no início do ano e eu o meu pai no fim de julho. Ontem, dia 18, foi seu aniversário de nascimento. Como queria ter estado ao lado de minha mãe e irmão neste momento! Mas nem tudo é como a gente deseja, não é? Meus outros dois irmãos também estão distantes em razão de terem suas próprias batalhas para travar.
Ver ZÉ GATÃO - DAQUI PARA A ETERNIDADE, um livro a muito ansiado finalmente ter chegado ao público e ter visitado os familiares em Brasília foi um deleite mas não deu para equilibrar a balança. C´est la vie. Temos que aceitar os fatos inexoráveis que escancaram nossas portas.

Eu e Vera não teremos festejos de fim ano, independe, em razão de vários fatores, de nossa vontade. No entanto não estou aqui para chorar as pitangas mas para desejar a todos vocês, que tem a gentileza de me acompanhar neste espaço, UM FELIZ NATAL e PRÓSPERO 2016. Sabemos que o ano vindouro não será fácil para nós brasileiros em razão da atual política. Entretanto aprendi com Jesus a não me fiar nas circunstâncias, mas ter confiança n´Ele, não esmorecer na fé e perseverar no trabalho, fazendo sempre o melhor. Tal qual o guerreiro da ilustração abaixo, estou pronto pra lutar contra o touro furioso do negativismo, a continuar dando murros em ponta de faca enquanto minhas mãos aguentarem.


Dou um tempo deste blog. Se tudo caminhar nos conformes ele volta logo na primeira semana do ano que chega com mais comentários sobre a vida, artes e contos.

Encontro com vocês aqui, combinado?

Abracem as pessoas que vocês amam e declarem seu amor por elas, este é o maior presente que vocês podem dar e receber.

FELICIDADES E FIQUEM COM DEUS!